Sito in Italia dove è possibile acquistare la consegna acquisto Viagra a buon mercato e di alta qualità in ogni parte del mondo.

(microsoft word - os princ\355pios estruturantes do processo civil portugu\352s- rui moreira.doc)

OS PRINCÍPIOS ESTRUTURANTES DO PROCESSO CIVIL PORTUGUÊS O PROJECTO DE UMA NOVA REFORMA DO PROCESSO CIVIL Tradicionalmente, reconheciam-se ao regime processual civil português princípios absoluta e incontornavelmente estruturantes: Numa proposta que parece interessante, o professor Castro Mendes1 apontava cinco como os mais essenciais: dispositivo, contraditório, legalidade, tutela provisória da aparência e Já o Prof. Manuel de Andrade2 apontava ainda outros: da auto-responsabilidade das partes; igualdade das partes, preclusão; livre apreciação das provas; aquisição processual, imediação, concentração, oralidade e identidade do juiz, economia processual, celeridade processual, salvaguarda dos interesses da parte perante a inevitável demora do processo. Atentemos apenas em alguns destes princípios. O princípio da legalidade, no âmbito do processo civil, aparecia em duas dimensões: legalidade das formas processuais e legalidade do conteúdo da decisão. Quanto às formas processuais, e no respeitante à estrutura e forma de processo, tal princípio redundava em ferramentas tendencialmente rígidas, pouco flexíveis em razão de 1 Direito Processual Civil, I Vol, ed. AAFDL, pgs. 181-228. 2 Noções Elementares de Processo Civil, Coimbra Editora, 1979, pgs. 373-393 iniciativas do juiz ou das partes. Os termos do processo resultavam da prescrição legal e não deixados ao critério do juiz ou a um eventual consenso das partes. Quanto à concreta forma de cada acto processual, já imperava uma regra superior de adequação: dispunha e dispõe o art. 138º3, no seu nº 1 que os actos processuais terão a forma que, nos termos mais simples, melhor corresponda ao fim que visam atingir. Tal interesse de simplificação levou, nos termos do nº 2 desse artigo, à introdução de múltiplos modelos de actos, maxime os de secretaria, o que ganhou superior dimensão com a evolução dos programas de informatização em uso nos tribunais. No que respeita à dimensão do princípio da legalidade quanto ao conteúdo da decisão, traduzia-se ele, simplificadamente, na obrigação de julgamento por aplicação da lei aos factos, princípio este com condicionantes, desde logo as resultantes do princípio do dispositivo. Desvio importante a este princípio da legalidade constituía já o regime do art. 265-A, ao prescrever o Princípio da Adequação Formal, nos seguintes termos: "Quando a tramitação processual prevista na lei não se adequar às especificidades da causa, deve o juiz oficiosamente, ouvidas as partes, determinar a prática dos actos que melhor se ajustem ao fim do processo, bem como as necessárias adaptações." Esta redacção, resultante do D.L. 180/96, substituiu a do D.L. 329-A/95, de 12 de Dezembro, que era mais rígida na solução desenhada: "1 - Quando a tramitação processual prevista na lei não se adequar às especificidades da causa, deve o juiz, oficiosamente e com o acordo das partes, adaptar o processado. 2 - Na execução da atribuição referida no número anterior, determina o juiz a realização dos actos que melhor se adequem ao apuramento da verdade e acerto da decisão, prescindindo dos que se revelem manifestamente inidóneos para o fim do processo." 3 Todas as normas citadas sem outra indicação, serão do Código de Processo Civil. Está aqui, ao fim e ao cabo, previsto aquilo que não se criou, apenas se evidenciou, no Regime Processual Civil Experimental (DL n.º 108/2006, de 08 de Junho), de cujo preâmbulo sobressai, a este propósito, o seguinte: "Do dever de gestão processual agora estabelecido decorrem, para o juiz, os imperativos de adoptar a tramitação processual adequada às especificidades da causa e o conteúdo e a forma dos actos ao fim que visam atingir e de garantir que não são praticados actos inúteis, tendo ainda de fazer uso dos mecanismos de agilização processual que a lei estabelece. Manifestação deste dever é a faculdade concedida ao juiz de, uma vez concluso o processo para saneamento, conhecer das excepções dilatórias e nulidades processuais suscitadas pelas partes ou que deva apreciar oficiosamente, julgar de imediato a causa se o estado do processo o permitir, convocar a audiência preliminar para selecção da matéria de facto ou exercício do contraditório ou designar o dia para a audiência de julgamento. O conjunto de actos previstos neste artigo (art. 10º deste diploma) não é, sequer, taxativo, podendo o magistrado praticar no processo qualquer acto ou diligência que lhe pareça mais adequado. Deve, pois, dirigir activa e dinamicamente o processo, tendo em vista a sua rápida e justa resolução e a melhor forma de organizar o seu trabalho." O princípio do dispositivo é aquele que se afirma por oposição ao princípio do inquisitório ou da oficialidade. No primeiro, o que é decisivo é a vontade das partes; no segundo, o que releva no processo é a vontade do juiz. O princípio do dispositivo identifica-se essencialmente em três vectores 1º - as partes determinam o início do processo; é o princípio do pedido, cabendo às partes o impulso inicial do processo; o art. 3º do CPC consagra expressamente tal expressão 2º - as partes têm a disponibilidade do objecto do processo; 3º - as partes têm a disponibilidade do termo do processo, podendo prevenir a decisão por compromisso arbitral, desistência, confissão ou transacção. No que respeita à disponibilidade do objecto do processo, é relevante distinguir entre disponibilidade do pedido e disponibilidade das questões e dos factos necessários à decisão Quanto à disponibilidade do pedido, o art. 661º limita a actividade do tribunal, pela pretensão do demandante: a sentença não pode condenar em quantidade superior ou em objecto Quanto à disponibilidade das questões e dos factos necessários à decisão, o art. 660º, nº 2 prescreve que a sentença deve resolver todas as questões que as partes tenham suscitado, sem prejuízo de algumas ficarem prejudicadas pela solução de outras. In fine, acrescenta que não deve ocupar-se de outras, a não ser que a lei lhe permita ou imponha o respectivo conhecimento Para além disso, o art. 664º estabelece que o tribunal só deve usar os factos articulados pelas partes, em consonância com o disposto no art. 264º e, nesta norma, definem-se os termos do acolhimento deste princípio no que à matéria de facto concerne: 1 - Às partes cabe alegar os factos que integram a causa de pedir e aqueles em que se 2 - O juiz só pode fundar a decisão nos factos alegados pelas partes, sem prejuízo do disposto nos artigos 514.º e 665.º e da consideração, mesmo oficiosa, dos factos instrumentais que resultem da instrução e discussão da causa. 3 - Serão ainda considerados na decisão os factos essenciais à procedência das pretensões formuladas ou das excepções deduzidas que sejam complemento ou concretização de outros que as partes hajam oportunamente alegado e resultem da instrução e discussão da causa, desde que a parte interessada manifeste vontade de deles se aproveitar e à parte contrária tenha sido facultado o exercício do contraditório. Destas normas se retira a necessidade de alegação de uma causa de pedir - o facto ou factos que fundamentam o pedido - sendo que quanto a esses factos se limita a actividade processual, sem prejuízo da inclusão de outros que desses sejam instrumentais. Como se sabe, a ausência de uma causa de pedir determina a ineptidão da petição inicial - al. a) do nº 2 do art. 193º - e a causa de pedir invocada condiciona o desenvolvimento da instância, sendo limitadas as situações da sua alteração ou ampliação - art. 272º (acordo das IV - A - Princípio do Inquisitório e da oficialidade. Dada a natureza pública do processo civil, os interesses públicos inerentes á administração da justiça e ao funcionamento das instituições judiciárias, o interesse de protecção de partes mais fracas, expostas a eventuais notórias desigualdades de recursos, o interesse da prevalência da justiça substantiva sobre a justiça adjectiva, muitas correcções vêm sendo introduzidas ao funcionamento do princípio dispositivo. Além do que supra já se referiu, o art. 265º atribui ao juiz o poder de direcção do processo, defere-lhe a competência para, em superação da omissão da parte, providenciar pelo suprimento dos pressupostos processuais susceptíveis de sanação e convidar as partes a praticar os actos necessários à modificação subjectiva da instância, quando isso se torne necessário. Mais do que isso, prescreve ainda (nº3) que ao juiz cabe realizar ou ordenar, mesmo oficiosamente, todas as diligências necessárias ao apuramento da verdade e à justa composição do litígio, quanto aos factos de que lhe é lícito conhecer. A intensificação do princípio do inquisitório ou da oficialidade tem ainda um efeito sobre um outro princípio, associado ele também ao princípio do dispositivo: falamos do princípio da auto-responsabilização das partes. Nas palavras de Manuel de Andrade (ob. e loc. cit), numa solução em que se afirme este princípio "As partes é que conduzem o processo a seu próprio risco. Elas é que têm de deduzir e fazer valer os meios de ataque e de defesa que lhes correspondam (incluídas as provas), suportando uma decisão adversa, caso omitam algum. A negligência ou inépcia das partes redunda inevitavelmente em prejuízo delas porque não pode ser suprida pela iniciativa e Temos a noção de como a evolução do processo civil tem vindo a subtrai-lo à influência deste princípio e, assim também, à do princípio do dispositivo, tornando o juiz cada vez mais interventor, no sentido da superação dos défices da actividade processual das partes. A própria jurisprudência foi caminhando no mesmo sentido, designadamente ao nível da segunda instância, onde a solução de evitar essa responsabilização das partes - por vezes sob a boa intenção de salvar a parte de uma intervenção menos feliz do seu mandatário - redunda frequentemente na anulação de decisões da primeira instância, de forma a que venha a ser suprido, por vezes além do razoável, aquilo que uma das partes deixou por alegar, por requerer, Não deve esquecer-se, no entanto, que esta postura crescentemente interventiva do juiz, que o regime processual lhe confere, suprindo oficiosamente a inépcia ou a negligência de uma das partes, com facilidade pode resultar numa perda da sua equidistância e, assim, numa efectiva - mesmo que não consciencializada - violação do princípio da igualdade das partes. Bem como pode resultar numa condução do processo para circunstâncias alheias à vontade O princípio do contraditório acaba por ser uma emanação de um outro que acabámos de Segundo o princípio do contraditório, nenhuma decisão deve ser proferida sobre um pedido ou um argumento de uma das partes sem se facultar à outra a oportunidade de se pronunciar sobre esse pedido ou sobre esse argumento. Com efeito, se perante o julgador ambas as partes estão em igualdade, ambas devem ter idêntica oportunidade de expor as suas razões, além de que a melhor fiscalização da actividade de uma das partes é a sua sujeição à pronúncia da parte contrária, tudo resultando em favor da Os arts. 3º e 3º-A prescrevem claramente os termos destes princípios, do contraditório e 1 - O tribunal não pode resolver o conflito de interesses que a acção pressupõe sem que a resolução lhe seja pedida por uma das partes e a outra seja devidamente chamada para deduzir 2 - Só nos casos excepcionais previstos na lei se podem tomar providências contra determinada pessoa sem que esta seja previamente ouvida. 3 - O juiz deve observar e fazer cumprir, ao longo de todo o processo, o princípio do contraditório, não lhe sendo lícito, salvo caso de manifesta desnecessidade, decidir questões de direito ou de facto, mesmo que de conhecimento oficioso, sem que as partes tenham tido a possibilidade de sobre elas se pronunciarem. 4 - Às excepções deduzidas no último articulado admissível pode a parte contrária responder na audiência preliminar ou, não havendo lugar a ela, no início da audiência final. O tribunal deve assegurar, ao longo de todo o processo, um estatuto de igualdade substancial das partes, designadamente no exercício de faculdades, no uso de meios de defesa e na aplicação de cominações ou de sanções processuais. O princípio do contraditório é, em todos os ramos de direito processual, um elemento absolutamente estruturante das ferramentas processuais disponibilizadas pela ordem jurídica. A sua exclusão é sempre excepcional, apenas se verificando quando a audição da parte contrária ponha em causa o efeito útil da actividade judicial, seja pela necessária delonga do processo decisório, seja pela possibilidade que dela resulta para a parte contrária se eximir ao efeito da decisão (v.g., arresto), seja a título de sanção pela indiciação de comportamento censurável (cfr art. 394ª: restituição de posse sem audiência do esbulhador, como sanção pelo esbulho). Tal princípio tem uma incidência concreta, relativamente a toda e qualquer questão suscitada no processo, e não apenas um carácter genérico, por referência ao processo na sua Uma das situações em que é expressamente salientado é no art. 207º, a propósito do conhecimento de nulidades que, possam ser deferidas. Uma outra, prevista no art. 517º, refere-se à não admissão e produção de provas sem audiência contraditória da parte a quem devam ser opostas. Deve considerar-se ainda emanação deste princípio a regra da proibição de decisões surpresa, constante do nº 3 do art. 3º citado. Por sua vez, a regra constante do art. 704º, quanto ao não conhecimento do objecto do recurso, é ainda outro momento importante da afirmação do princípio que se vem descrevendo. Segundo Manuel de Andrade, este princípio traduz-se no reconhecimento de que um processo contém ciclos processuais rígidos, com finalidades específicas e estanques entre si. Por isso, quando os actos não sejam praticados no ciclo próprio, ficam precludidos. Por exemplo: todos os fundamentos da acção e todos os da defesa devem ser alegados de uma vez, cabendo alegar logo mesmo os que pareçam secundários, na eventualidade de serem relevantes - cfr. art. 467º, nº 1 al d), quanto à petição; 488º e 489º em relação à contestação; cfr. arts. 272º e 273º, quanto às limitações da alteração do pedido e da causa de O mesmo se refira relativamente ao momento do oferecimento da prova e às limitações inerentes à sua alteração, requerimento de novos meios ou oferecimento tardio. Como alternativa, pode consentir-se às partes a liberdade de escalonamento de factos e/ou de provas consoante o decurso do litígio viesse a revelar a sua necessidade. A valência de um princípio da preclusão traduz-se na imposição de uma actuação leal entre as partes, de uma conduta transparente desde o início, que habilite cada uma delas a agir e a reagir de boa fé, excluindo que os argumentos de uma possam ser feitos valer quando a outra está menos habilitada para o fazer, eventualmente até condicionada pela sua actuação anterior. Por outro lado, este princípio acolhe ainda interesses de celeridade processual, prevenindo o arrastamento dos processos. Em qualquer caso, interesses de verdade material levam a que este princípio deva ser limitado na sua actuação, designadamente permitindo o tratamento de situações objectiva ou Este princípio traduz-se essencialmente no contacto directo entre o juiz e as diversas fontes de prova (Manuel de Andrade, ob cit, pg. 386) Tendentes à efectivação deste valor são os princípios da concentração, da oralidade e da A oralidade reporta-se à discussão das questões da causa. A discussão da matéria de facto é sempre oral - cfr art. 652º; a discussão da matéria de direito, nas acções sob a forma ordinária, pode ser por escrito, se as partes disso declararem não prescindir - art. 657º (no processo ordinário, já que no sumário e no sumaríssimo toda a discussão é oral. – arts 790º, nº 1 O princípio da identidade do juiz, designado no CPC por princípio da plenitude da assistência do juiz, reporta-se quer à exigência de que a matéria de facto só seja decidida por juiz que tenha assistido a todos os actos de instrução e discussão praticados na audiência de julgamento, quer ao prolongamento da competência funcional do juiz para acabar o julgamento, mesmo que a tenha perdido por transferência, aposentação, etc. Note-se, porém, que o art. 654º do C.P.C. apenas impõe este princípio relativamente à decisão da matéria de facto. Traduz-se este princípio no acolhimento de valores de eficiência: à aquisição de determinado resultado processual devem afectar-se os meios necessários e suficientes e não A proibição de actos inúteis, constante do art. 137º, e a redução das formalidades dos actos ao essencial, prescrita no nº 1 do art. 138º, são emanações deste princípio. IX - Princípio da celeridade processual. Este princípio, servindo interesse comum ao da economia processual, revela-se na necessidade de organização do processo para que chegue ao seu termo tão rapidamente quanto Ele manifesta-se, por exemplo, na fixação dos prazos para a prática de actos pelas partes ou pelo tribunal, na possibilidade de adiamento dos actos, na possibilidade de suspensão da instância, nas regras de continuidade das diligências ou de marcação dos actos adiados. Revela- se, ainda, na qualificação como urgentes de alguns actos ou tipo de processos. Revisitados estes princípios fundamentais do processo civil da nossa ordem jurídica, e mencionadas algumas das suas manifestações no regime em vigor, é interessante procurar, naquilo que parece pretender designar-se por um Novo Código de Processo Civil, as soluções aí implementadas, em expressão desses mesmos ou de outros valores, que se revelem estruturais De referir que não é por entusiasmo, nem por ironia, que se fala aqui de um Novo Código de Processo Civil, porquanto é o próprio texto da “Exposição de Motivos” da Proposta Depois de se mencionar que se pretende implementar um “novo paradigma para a acção declarativa e para a acção executiva” com “a consagração de novas regras de gestão e de tramitação processual”, afirma-se mesmo: “O acervo das alterações ora introduzidas permite classificar esta reforma como a mais profunda realizada no processo civil português desde 1939, o que, só por si, justifica que estejamos perante um novo código de processo civil, com nova sistematização, sendo de referir a transferência das disposições relativas aos princípios gerais para os preceitos iniciais e a deslocação das disposições relativas à instrução do processo, bem como a eliminação de alguns processos especiais que, actualmente, já não se justificam” No que respeita à alteração da inserção sistemática das normas consagradoras de alguns dos valores estruturais, constata-se que, tal como anunciado, logo nos arts. 3º a 7º, se inscreve No art 3º, ficam a constar o princípio do dispositivo, na dimensão da disponibilidade do “1 -O tribunal não pode resolver o conflito de interesses que a ação pressupõe sem que a resolução lhe seja pedida por uma das partes e a outra seja devidamente chamada para deduzir oposição.” 4 Tem-se por referência o texto da Proposta de Lei nº 113/XII, de 22/11/2012, emanada da presidência do Conselho de Ministros, actualmente em discussão na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias. 2 -Só nos casos excecionais previstos na lei se podem tomar providências contra determinada pessoa sem que esta seja previamente ouvida. 3 - O juiz deve observar e fazer cumprir, ao longo de todo o processo, o princípio do contraditório, não lhe sendo lícito, salvo caso de manifesta desnecessidade, devidamente fundamentada, decidir questões de direito ou de facto, mesmo que de conhecimento oficioso, sem que as partes tenham tido a possibilidade de sobre elas se pronunciarem.” 4 - Às exceções deduzidas no último articulado admissível pode a parte contrária responder na audiência prévia ou, não havendo lugar a ela, no No art. 4ºº, prescreve-se o Princípio da Igualdade das partes: “O tribunal deve assegurar, ao longo de todo o processo, um estatuto de igualdade substancial das partes, designadamente no exercício de faculdades, no uso de meios de defesa e na aplicação de cominações ou de No Artigo 5.º, sob a epígrafe “Ónus de alegação das partes e poderes de cognição do tribunal” , reforma-se o equilíbrio entre os princípios do dispositivo e do inquisitório no que respeita ao domínio da factualidade em discussão na causa. 1 - Às partes cabe alegar os factos essenciais que constituem a causa de pedir e aqueles em que se baseiam as exceções invocadas. 2 - Além dos factos articulados pelas partes, são ainda considerados pelo juiz: a) Os factos instrumentais que resultem da instrução da causa; b) Os factos que sejam complemento ou concretização dos que as partes hajam alegado e resultem da instrução da causa, desde que sobre eles tenham tido a c) Os factos notórios e aqueles de que o tribunal tem conhecimento por virtude 3 - O juiz não está sujeito às alegações das partes no tocante à indagação, interpretação e aplicação das regras de direito.” No artigo 6.º, prescreve-se, à luz do princípio do inquisitório e da oficialidade, um Dever de gestão processual, importado claramente do regime de processo civil experimental, em vigor em algumas comarcas do país. Aí se prescreve : 1- Cumpre ao juiz, sem prejuízo do ónus de impulso especialmente imposto pela lei às partes, dirigir ativamente o processo e providenciar pelo seu andamento célere, promovendo oficiosamente as diligências necessárias ao normal prosseguimento da ação, recusando o que for impertinente ou meramente dilatório e, ouvidas as partes, adotando mecanismos de simplificação e agilização processual que garantam a justa composição do litígio em prazo razoável. 2 - O juiz providencia oficiosamente pelo suprimento da falta de pressupostos processuais suscetíveis de sanação, determinando a realização dos atos necessários à regularização da instância ou, quando estiver em causa alguma modificação subjetiva da instância, convidando as partes a praticá-los. Depois, no Artigo 7.º, consagra-se um “Princípio da cooperação”, estabelecendo-se as 1 -Na condução e intervenção no processo, devem os magistrados, os mandatários judiciais e as próprias partes cooperar entre si, concorrendo para se obter, com brevidade e eficácia, a justa composição do litígio. 2 - O juiz pode, em qualquer altura do processo, ouvir as partes, seus representantes ou mandatários judiciais, convidando-os a fornecer os esclarecimentos sobre a matéria de facto ou de direito que se afigurem pertinentes e dando-se conhecimento à outra parte dos resultados da diligência. 3 - As pessoas referidas no número anterior são obrigadas a comparecer sempre que para isso forem notificadas e a prestar os esclarecimentos que lhes forem pedidos, sem prejuízo do disposto no n.º 3 do artigo 417.º. 4 - Sempre que alguma das partes alegue justificadamente dificuldade séria em obter documento ou informação que condicione o eficaz exercício de faculdade ou o cumprimento de ónus ou dever processual, deve o juiz, sempre que possível, providenciar pela remoção do obstáculo. Sem prejuízo da utilidade da afirmação genérica destes princípios, torna-se útil analisar, ao longo do projecto do diploma, algumas das formas da sua concretização, bem como as de outros princípios anteriormente referidos. Desde já se pode afirmar, no entanto, que no que respeita ao referido Princípio da Cooperação, agora constante do art. 7º, os respectivos termos são precisamente os mesmos do passado, então prescritos no art. 266º. Nenhuma atenção particular merece também a afirmação massiva do Princípio do Contraditório, que além de tão marcado do art. 3º citado, se repete ao longo de todo o diploma, a propósito da maioria das questões, como se o legislador ponderasse o permanente perigo do seu Mais interessante será analisar as alterações introduzidas na tensão existente entre o Princípio da Legalidade e o da Adequação Formal. Como se referiu supra, em substituição de uma mais rígida conformação da tramitação processual segundo as diferentes formas previstas, o D.L. 329-A/95 veio inaugurar a possibilidade de o juiz adaptar essa tramitação às especificidades da questão, de forma a melhor realizar os interesses do apuramento da verdade e o acerto da decisão. Para isso sempre haveria de identificar uma desadequação das soluções formais previstas, bem como obter o acordo das Logo a redacção trazida pelo D.L. 180/96 veio operar um avanço nessa matéria, com os mesmos pressupostos e o mesmo objectivo de melhor realizar o fim do processo, prescindindo do acordo das partes e exigindo apenas a sua audição. A maior evolução que se verificou no âmbito destes interesses ocorreu por via da solução adoptada no Regime Processual Civil Experimental (D.L. 108/2006, de 8/06) onde, muito além da possibilidade de adequação do processado quando a forma legalmente prevista não for adequada, se prescreveu para o juiz um verdadeiro dever de gestão processual. O juiz dirige o processo, devendo nomeadamente: a) Adoptar a tramitação processual adequada às especificidades da causa e adaptar o conteúdo e a forma dos actos processuais ao fim que visam atingir; b) Garantir que não são praticados actos inúteis, recusando o que for impertinente c) Adoptar os mecanismos de agilização processual previstos na lei. No novo CPC, além do Princípio da Adequação Formal, encontramos consagrado expressamente tal Dever de Gestão Processual. Sobre o primeiro, estabelece o art. 547º: O Juiz deve adoptar a tramitação processual adequada ás especificidades da causa e adaptar o conteúdo e a forma dos actos processuais ao fim que visam atingir, assegurando um processo equitativo. 1 - Cumpre ao juiz, sem prejuízo do ónus de impulso especialmente imposto pela lei às partes, dirigir ativamente o processo e providenciar pelo seu andamento célere, promovendo oficiosamente as diligências necessárias ao normal prosseguimento da ação, recusando o que for impertinente ou meramente dilatório e, ouvidas as partes, adotando mecanismos de simplificação e agilização processual que garantam a justa composição do 2 - O juiz providencia oficiosamente pelo suprimento da falta de pressupostos processuais suscetíveis de sanação, determinando a realização dos atos necessários à regularização da instância ou, quando estiver em causa alguma modificação subjetiva da instância, convidando as partes a praticá-los. Este dever de gestão é concretizado, por exemplo no art. 590º (Gestão inicial do Processo), no âmbito da intervenção do Juiz na fase anterior á audiência prévia, e a propósito do indeferimento da petição, da diligência pelo suprimento de excepções dilatórias, do aperfeiçoamento dos articulados e da instrução da causa para conhecimento de excepções ou do Não obstante a parente novidade da consagração deste Dever de Gestão Processual, o que se verifica é que ele coincide, na essência e quase integralmente, com os termos da consagração do Princípio do Inquisitório, do art. 265º do CPC em vigor, e do Princípio da Adequação Formal, constantes do art. 265º-A. De resto, em qualquer das versões normativas, se impõe ao Juiz a necessidade de audiência das partes, a propósito da implementação de qualquer O que é útil recordar aqui, à semelhança do que acontece no regime processual civil experimental, é a recorribilidade das decisões que, ao abrigo deste dever de gestão, visem adequar o processado à complexidade ou falta de complexidade da causa, desde que recorríveis nos termos gerais, como é óbvio. Como muitas vozes referiram a propósito daquele regime experimental, tal recorribilidade poderá ser elemento inibidor de algumas medidas de efectiva simplificação dos concretos processos em curso. Se o juiz pensar em limitar o número de testemunhas em função da simplicidade da causa, ou em limitar o tempo a afectar à respectiva inquirição por cada um dos mandatários, a possibilidade de recurso da sua decisão e a sua sujeição a eventual revogação, com necessidade de repetição do acto em termos isentos da sua intervenção, tenderá a inibir essa sua actividade gestora, pois sempre ficará mais confortável a coberto de tal risco, admitindo por norma tudo o que lhe é requerido e não contestado pela parte contrária, numa circunstância em que escusa de arriscar qualquer decisão. Curiosamente, o CSM, em parecer oferecido sobre a matéria, defende a solução contrária, isto é, a da recorribilidade, perante um texto de proposta em que estaria prevista essa Parece, assim, que ao contrário do referido na exposição de motivos desta Proposta de Novo CPC, estas soluções nem são novas, nem atribuem ao juiz um verdadeiro poder de direcção do processo, antes lhe impõem deveres - à luz de uma sedimentação do princípio do inquisitório - tendentes a suprir toda a inércia e ineficiência das partes, assim se afastando o que se referiu como um valor inerente à sua responsabilização pelo desenvolvimento da lide. É o que, nessa exposição de motivos, se descreve como "princípio da prevalência do mérito sobre meras questões de forma" que, "em conjugação com o assinalado reforço dos poderes de direcção, agilização, adequação e gestão processual do juiz" deve conduzir a que toda a atividade processual (seja) orientada para propiciar a obtenção de decisões que privilegiem o mérito ou a substância sobre a forma, cabendo suprir-se o erro na qualificação pela parte do meio processual utilizado e evitar deficiências ou irregularidades puramente adjectivas que impeçam a composição do litígio ou acabem por distorcer o conteúdo da sentença de mérito, condicionado pelo funcionamento de desproporcionadas cominações ou preclusões Assim, em diversas oportunidades, o juiz, à luz desse princípio do inquisitório, vê ampliados os termos da sua intervenção. Mas não deixa de ficar vinculado a realizar actos para suprir a omissão das partes, deixando estas de ser por isso responsáveis já que a ele sempre competirá determinar aquilo que tiver por necessário à realização do fim do processo, ainda que É o caso, por exemplo o caso da instrução do processo, a propósito do que o art. 411º da Proposta dispõe, sob a epígrafe (Princípio do Inquisitório): "Incumbe ao juiz realizar ou ordenar, mesmo oficiosamente, todas as diligências necessárias ao apuramento da verdade e à justa composição do litígio, quanto aos factos de que lhe é lícito conhecer." Esta filosofia do Novo Código de Processo Civil, de intervenção paternalista do Juiz, em homenagem à prevalência dos Princípios do Inquisitório e da Oficialidade, determina novo recuo de um outro princípio: o do dispositivo. Tal como antes, neste Novo CPC, mantém-se para a parte autora uma plena disponibilidade do início do processo. A necessidade do pedido está prevista no nº 1 do art. 3º. Por outro lado, mantém-se a solução da disponibilidade das questões e do pedido: segundo os arts. 608º e 609º, o tribunal deve resolver todas as questões suscitadas pelas partes (sem prejuízo das que ficarem prejudicadas) e só essas, salvo as que sejam de conhecimento oficioso; e não pode condenar em quantidade superior ou em objecto diverso do que se pedir. Já não assim no que respeita à disponibilidade dos factos necessários à decisão. A este propósito, o art. 5º do Novo CPC vem estabelecer: Artigo 5.º (Ónus de alegação das partes e poderes de cognição do tribunal) 1 - Às partes cabe alegar os factos essenciais que constituem a causa de pedir e aqueles em que se baseiam as exceções invocadas. 2 - Além dos factos articulados pelas partes, são ainda considerados pelo juiz: a) Os factos instrumentais que resultem da instrução da causa; b) Os factos que sejam complemento ou concretização dos que as partes hajam alegado e resultem da instrução da causa, desde que sobre eles tenham tido a possibilidade de se c) Os factos notórios e aqueles de que o tribunal tem conhecimento por virtude do Diferentemente do que antes se previa no art. 264º, nº 3, neste novo regime, segundo a al. b) do nº 2 do art. 5º, o tribunal pode importar para a decisão factos que sejam complemento ou concretização dos que as partes hajam alegado e resultem da instrução da causa, desde que sobre eles tenham tido a possibilidade de se pronunciar, mesmo que a parte nenhuma vontade tenha manifestado quanto à sua utilização: nem os alegou e, apesar de terem surgido na discussão da causa e serem necessários à sua decisão, nenhuma vontade manifestou a esse propósito (o que antes era necessário). Então, em homenagem à prevalência da decisão de mérito sobre a forma, o tribunal, não à revelia do conhecimento das partes, mas eventualmente à revelia da sua vontade ou até efectiva consciência, vai suprir a inércia de uma delas, que desses factos sempre se abstraiu, e usá-los eventualmente em desfavor da parte contrária, pois só com eles poderá proceder decisão que lhe seja desfavorável. Note-se, por outro lado, que esta actuação ocorrerá no âmbito de um processo em que, por ausência de base instrutória pré constituída com precisão, o elenco de factos provados que sustentará a sentença só aparece concretizado na própria sentença, nos termos do art. 607º do E também no âmbito de um processo onde a própria actividade instrutória oficiosa do tribunal é afirmada mais genérica e amplamente, à luz do princípio do inquisitório. Será que esta solução materializa, por si mesma, um outro princípio do processo civil, qual seja o da igualdade das partes e da equidistância do tribunal em relação aos respectivos interesses? Fica a questão, que anteriormente se enunciou, sobre uma eventual tensão entre estes valores e as soluções de incremento dos princípios do inquisitório e da oficialidade. Dada a sua conexão lógica com o que se acabou de expor, parece útil abordar um outro princípio claramente posto em causa pela Proposta de Lei do Novo CPC: o princípio da Com efeito, e no que à alegação factual diz respeito - campo de aplicação, por excelência deste princípio - vimos já que, no CPC em vigor, todos os fundamentos da acção e da defesa devem ser alegados em dois momentos essenciais - a petição e a contestação. Isto, claro, sem prejuízo da atendibilidade de factos objectiva ou subjectivamente supervenientes a tratar nos termos dos arts. 506º e 663º, nº 1 do CPC. Refere a exposição de motivos do diploma projectado que as partes se devem concentrar na "factualidade essencial e com relevo substantivo, assim se desincentivando a inútil prolixidade que, até agora, face a um processo civil desmesuradamente rígido e preclusivo, derivava da necessidade de neles se incluírem todos os factos e circunstâncias essenciais ou instrumentais mais tarde levados ao questionário. Como é sabido, fruto de uma visão assaz formalista e fundamentalista do ónus de alegação, o entendimento prevalecente na prática forense vem sendo o de que qualquer omissão ou imprecisão na alegação implica o risco de privação do direito à prova sobre matéria que o fluir do pleito viesse a revelar. Agora, homenagear o mérito e a substância em detrimento da mera formalidade processual, confere-se às partes a prerrogativa de articularem os factos essenciais que sustentam as respetivas pretensões, ficando reservada a possibilidade de, ao longo de toda a tramitação, naturalmente amputada de momentos inúteis, vir a entrar nos autos todo um acervo factual merecedor de consideração pelo tribunal com vista à justa composição do litígio." Vimos já como a hipótese de utilização de factos nem sequer alegados pelas partes se Mas para além disso, o art. 552º, nº 1, na al. d), ao condicionar os termos da petição inicial, apenas impõe ao autor a obrigação de "d) Expor os factos essenciais que constituem a causa de pedir e as razões de direito que servem de fundamento à acção". Será o termo "essenciais", que constituirá a diferença face ao regime anterior. Já quanto à contestação, o art. 572º impõe ao réu o ónus de contestação por alegação das razões de facto e de direito por que se opõe à pretensão do autor e, no tocante a excepções, também limita o ónus do réu à alegação dos factos essenciais em que elas se baseiam. Em qualquer caso, o art 573º não deixa de prescrever a regra de que toda a defesa deve ser deduzida No respeitante à reconvenção, a referência aos factos essenciais que a fundamentam é feita por remissão para aquele art. 552º, nº 1, al. d). A insuficiência de qualquer destes articulados poderá ser suprida antes da audiência prévia, a convite do tribunal, com sujeição aos limites da alteração do pedido e da causa de pedir e ao condicionamento da defesa pela contestação apresentada, como se retira da remissão feita no art. 590º, nºs 3, 4 e 5, para o art. 265º e para os arts. 573º e 574º, respectivamente. E poderá igualmente ser suprida na discussão a realizar em sede de audiência prévia. Com efeito, tal discussão pode, de per si, revelar insuficiência ou imprecisão das alegações de facto anteriores, cujo suprimento haverá então de ocorrer, tal como dispõe o art. 595º, nº 1, na Outro dos princípios referidos foi o da imediação, assistido pelos princípios da concentração, da oralidade e da identidade do juiz. É a propósito destes dois últimos que o Novo CPC traz alguma novidade. O princípio da oralidade não oferece dúvidas quanto ao seu conteúdo. Refere-se à realização oral de actos processuais, sejam de discussão da causa, sejam de produção de prova, e o grau da sua consagração relaciona-se ainda com os termos da respectiva documentação no processo: abrangendo ou não o seu conteúdo, sendo ou não transcritos e, naquele caso, por Um dos momentos em que se salienta a oralidade, no Novo CPC é na audiência prévia, cujo conteúdo e finalidade passa a ser crucial na definição dos termos do processo. Estão essas a) Realizar tentativa de conciliação, nos termos do artigo 594.º; b) Facultar às partes a discussão de facto e de direito, nos casos em que ao juiz cumpra apreciar exceções dilatórias ou quando tencione conhecer imediatamente, no todo ou em parte, c) Discutir as posições das partes, com vista à delimitação dos termos do litígio, e suprir as insuficiências ou imprecisões na exposição da matéria de facto que ainda subsistam ou se tornem patentes na sequência do debate; d) Proferir despacho saneador, nos termos do n.º 1 do artigo 595.º; e) Determinar, após debate, a adequação formal, a simplificação ou a agilização processual, nos termos previstos no n.º 1 do artigo 6.º e no artigo 547.º; f) Proferir, após debate, o despacho previsto no n.º 1 do artigo 596.º e decidir as g) Programar, após audição dos mandatários, os atos a realizar na audiência final, estabelecer o número de sessões e a sua provável duração e designar as respetivas datas. Como tudo isto há-de decorrer oralmente, a audiência prévia deve ser gravada "sempre que possível", nos termos do nº 4 desta norma. Porém, quanto ao despacho saneador, o nº 2 do art. 595º prescreve a necessidade de o mesmo ser ditado para a acta (podendo excepcionalmente ser proferido por escrito, em casos de complexidade, e devendo a audiência prévia ser retomada depois, se houver actos a praticar Depois, estabelece o nº 1 do art 596º do CPC que, se a acção houver de prosseguir, o juiz profere um despacho destinado a identificar o objecto do litígio e a enunciar os temas de Esta simples determinação enterra definitivamente a especificação e questionário, entretanto transmutados em selecção de matéria assente e base instrutória. Com isso se corta, de facto, com um sistema tradicional de processamento das causas, com necessárias implicações nos métodos de trabalhos de advogados e juízes, na performance dos tribunais e na própria orgânica do sistema judicial. Em qualquer caso, perante uma causa muito complexa, em que se revele necessária uma grande precisão dos factos em discussão, o princípio da adequação formal, previsto nos termos do art. 547º, sempre facultará ao juiz a possibilidade de elaborar uma especificação e questionário ‘à moda antiga’ A questão há-de ser muito trabalhada e oportunamente se verá se a solução é positiva ou Não é nessa dimensão que aqui importa considerá-la, já que tratamos só do princípio da oralidade. Com efeito, dispõe o nº 2 que as partes podem reclamar daquele despacho que identifica o objecto do litígio e enuncia os temas de prova. E sobre tais reclamações é proferida O objecto do litígio e os temas de prova condicionarão a actividade instrutória ulterior. Porém, enquanto que o despacho saneador é ditado para a acta mesmo que a audiência seja gravada já, nesse caso, aquele despacho que identifica o objecto do litígio e enuncia os temas de prova, as reclamações e a sua decisão poderão ficar apenas gravadas. É o que resulta do nº 4 Ou seja, quando o juiz vai para a sala fazer o julgamento, pode ter que ir ouvir a gravação deste despacho, para saber qual o objecto de litigio e os temas de prova que antes Se estas soluções revelam, a meu ver, algum desequilíbrio no tratamento deste princípio, um outro se identifica também no que respeita à tentativa de conciliação, prevista no Aí, além de se prever que o juiz deve ter um 'empenho activo' na obtenção da solução de equidade mais adequada aos termos do litígio, prescreve-se, no nº 4, que fiquem "consignadas em ata as concretas soluções sugeridas pelo juiz, bem como os fundamentos que, no entendimento das partes, justificam a persistência do litígio." Constata-se, com alguma surpresa, esta necessidade de se cristalizar em acta as concretas soluções que o Juiz propôs e as razões pelas quais as partes as recusam, isto é, as razões que justificam a persistência do litígio. Para que serve esta solução? Nada adiantará à solução da causa. Poderá, se calhar, ser útil apenas para a ulterior responsabilização profissional/contratual dos advogados pelos seus clientes, quando a solução da causa se revele desfavorável, por referência ao teor e resultado daquela tentativa de conciliação. Depois se verá. Outra importante manifestação do princípio da oralidade, aí em plena homenagem ao princípio da imediação, encontra-se expressa no art. 662º do C.P.C. a propósito da produção de prova em sede de recurso. Aí, dispondo sobre a "Modificabilidade da decisão de facto", "2 - A Relação deve ainda, mesmo oficiosamente: a) Ordenar a renovação da produção da prova quando houver dúvidas sérias sobre a credibilidade do depoente ou sobre o sentido do seu depoimento; b) Ordenar, em caso de dúvida fundada sobre a prova realizada, a produção de novos 3 - Nas situações previstas no número anterior, procede-se da seguinte forma: a) Se for ordenada a renovação ou a produção de nova prova, observa-se, com as necessárias adaptações, o preceituado quanto à instrução, discussão e julgamento na 1ª Ou seja, a discussão da causa e a produção de tais meios de prova haverão de decorrer em 2ª instância, com observância dos ditames sobre imediação e oralidade que se verificam nos A aparente hesitação da proposta deste Novo CPC no tratamento do valor da oralidade revela-se ainda noutro facto: não se avançou, no caso de acções caracterizadas por maior simplicidade, seja em razão do valor ou em razão do objecto, para uma solução verdadeiramente expedita, de prolação oral da sentença, a ficar documentada apenas em registo áudio. Então, por hipótese, só a parte dispositiva ficaria a constar da acta. É certo que desapareceram as formas de processo sumário e sumaríssimo e, com isso, uma oportunidade de fácil definição do âmbito de aplicação de uma tal solução. Porém, o legislador não deixou de aligeirar os procedimentos para as acções de valor inferior a metade da alçada da Relação, como resulta do disposto no art. 597º da proposta. Assim, a unicidade da forma de processo não é desculpa para a não adopção de uma solução de oralidade deste género. Acresce que, como se sabe, mesmo no processo penal e mesmo perante valores ético- jurídicos superiores, como seja o da liberdade, o legislador foi mais longe, prevendo uma solução do género para os julgamentos no processo sumário: nos termos do art. 389º-A do CPP; a sentença é logo proferida oralmente e contém a indicação sumária dos factos provados e não provados, que pode ser feita por remissão para a acusação e contestação, com indicação e exame crítico sucintos das provas; a exposição concisa dos motivos de facto e de direito que fundamentam a decisão; em caso de condenação, os fundamentos sucintos que presidiram à escolha e medida da sanção aplicada; e o dispositivo. O dispositivo é sempre ditado para a acta e a sentença fica documentada pelo registo áudio, do qual é entregue uma cópia aos sujeitos Porém, a inegável celeridade de uma tal solução parece não ter impressionado os Duas últimas notas a propósito do princípio da imediação e da identidade do juiz. O art 605º, ao consagrar um Princípio da plenitude da assistência do juiz, prevê diferentemente da solução em vigor, que mesmo nos casos de transferência ou promoção, o juiz que tiver presidido ao julgamento elabore também a sentença. Esta disposição é consequência necessária do fim da autonomia material entre a decisão sobre a matéria de facto e a decisão final da causa. Devendo a sentença final integrar o juízo do tribunal sobre a matéria de facto discutida e a respectiva fundamentação, não poderá deixar de ser o juiz que presidiu ao julgamento aquele que profere a respectiva sentença. Como alternativa só poderia configurar-se a perda de toda a prova até então produzida, o que é impensável á luz de princípios de celeridade, economia processual e de confiança dos cidadãos no funcionamento Não obstante, deverá o CSM encontrar meios que permitam compatibilizar as transferências ou promoções dos magistrados com a necessidade de "liquidação" de todo o Outra novidade importante é a prescrita no art. 218.º (Manutenção do relator, no caso de novo recurso). Aí se dispõe que "Se, em consequência de anulação ou revogação da decisão recorrida ou do exercício pelo Supremo Tribunal de Justiça dos poderes conferidos pelo n.º 3 do artigo 682.º, tiver de ser proferida nova decisão no tribunal recorrido e dela for interposta e admitida nova apelação ou revista, o recurso é, sempre que possível, distribuído ao mesmo Parecem evidentes os ganhos decorrentes desta solução, com a mais valia que constitui, para quem haja de decidir um recurso, aquela primeira intervenção já realizada num mesmo A última parte desta abordagem ao tema dos princípios estruturantes do processo penal versará sobre o princípio da celeridade processual, já que parte do que poderia comentar-se a propósito de um outro, de economia processual, se referiu já a propósito do tema do dever de gestão processual e do Princípio da Adequação Formal. Como se referiu antes, o valor da celeridade processual concretizar-se-á através de soluções de organização do processo habilitantes a que chegue ele ao seu termo tão rapidamente quanto possível, sem se esquecer que um processo é uma concatenação de actos que se sucedem ao longo do tempo, com uma evolução muito condicionada pela observância da audiência das partes e/ou do contraditório relativamente a cada acto decisório nele contido, tudo em termos que claramente se afastam do instantâneo, antes de prolongando necessariamente no tempo. Em qualquer caso, o princípio da celeridade está presente quando se concebe uma arquitectura de concentração para a prática e discussão de determinados actos (maxime a audiência prévia), quando se fixam os prazos para a prática de actos pelas partes ou pelo tribunal; quando se determinam as circunstâncias que podem fundamentar o adiamento dos actos agendados; quando se fixam os termos que permitem às partes, pura e simplesmente, suspender o curso da instância, ou na qualificação como urgentes de alguns actos ou tipo de processos. Outra forma de proteger este valor surge por via da penalização de condutas vocacionadas para a sua negação. Pensa-se, a este respeito, no sancionamento de condutas dilatórias por via da sua significativa tributação. A questão da audiência prévia é específica e complexa, devendo ter um tratamento No que respeita a prazos, sem prejuízo de eles se manterem genericamente iguais aos do Código em vigor, a nova estrutura da sentença, a ser proferida no prazo de 30 dias (art. 607º) sem autonomização entre a decisão da matéria de facto, sujeição a reclamação autónoma desta decisão, e decisão final, tenderá a encurtar o tempo da decisão do processo. Obviamente que isso poderá impor outra gestão da agenda do juiz, determinando diferente dilação na marcação das diligências, já que, por exemplo, perante um processo particularmente complexo não poderá proferir apenas a decisão da matéria de facto e ir estudando depois a solução de direito, por vezes recorrendo ao período de férias judiciais seguintes para proferir uma decisão final. Em qualquer caso, mantêm-se os prazos gerais de 10 dias para a prática de actos processuais e o de 30 dias para interposição de recursos, bem como outro de 30 dias para a elaboração do projecto de acórdão em recurso perante a Relação. No que respeita ao adiamento da audiência de julgamento, acolhe-se um princípio de inadiabilidade. Nos termos do art. 603º da proposta do Novo CPC, o adiamento só é possível se houver impedimento do tribunal, faltar algum dos advogados sem que o juiz tenha providenciado pela marcação mediante acordo prévio ou ocorrer motivo que constitua justo impedimento (este, obviamente, a ser declarado nos termos próprios deste instituto, previsto nos art. 140º em termos iguais aos do art. 146º de Código em vigor). Assim, deixa de haver possibilidade de adiamento em razão da junção de documentos ou se faltar algum dos advogados que tenha comunicado a impossibilidade da sua comparência, como acontece no Mesmo o fundamento para a interrupção da audiência em função da junção de um documento tardio passa a ter um controlo mais rigoroso pelo tribunal, nos termos do art. 494º (“A apresentação de documentos nos termos do disposto no nº 3 do artigo anterior não obsta à realização das diligências de produção de prova, salvo se, não podendo a parte contrária examiná-los no próprio ato, mesmo com suspensão dos trabalhos pelo tempo necessário, o tribunal considerar o documento relevante e declarar que existe grave inconveniente no Já na audiência prévia a falta de qualquer pessoa para ela convocada – parte ou mandatário - não constituía motivo de adiamento – cfr. nº 3 do art. 591º. Outro factor claramente agressor da celeridade do processo vem sendo a prerrogativa de suspensão da instância, concedida livremente às partes, desde que nisso acordem, pelo período máximo de seis meses. Claro que há variações na aplicação deste instituto, sendo inegável que o mesmo tem, por vezes, clara adesão do próprio tribunal; já noutras situações, chega a parecer que é apenas o juiz quem quer que o processo termine. Esta situação poderá sofrer alguma alteração, atento o regime proposto no nº 4 do art. 272º do Novo CPC, que prescreve: “As partes podem acordar na suspensão da instância por períodos que, na sua totalidade, não excedam três meses, desde que dela não resulte o adiamento A prática judiciária revela que esta solução é, porém, pouco eficaz: a possibilidade da suspensão da instância por sucessivos períodos importa o curso de outros períodos entre a prática de actos próprios da tramitação do processo. Por isso, tal como antes acontecia, este período de três meses pode efectivamente redundar num tempo muito superior. Por outro lado, se há momento em que é oportuna a suspensão da instância ele é, muitas das vezes, aquele que antecede o início do julgamento. É então que, muitas das vezes, as partes encontram, in extremis, uma hipótese de solução consensual que pode exigir algum tempo para ser exequível ou ser aplicada. Porém, na solução proposta, não poderão então suspender a instância. Não se tem dúvida em afirmar que muito melhor seria facultar ás partes a possibilidade de suspensão da instância por uma única vez, por um período máximo de três meses, ainda que isso importasse o adiamento da audiência por esse tempo, para uma data a aprazar de imediato. Outros expedientes foram adoptados, com objectivos de implementação de celeridade: - aplicação de taxa de justiça correspondente à dos processos de especial complexidade para actuações que visam produzir uma artificiosa complexização da matéria litigiosa - por exemplo, injustificável prolixidade das peças processuais produzidas, totalmente inadequada à real complexidade da matéria do pleito, ou manifestamente excessiva indicação de meios de -aplicação à parte de uma taxa sancionatória excepcional, sancionando comportamentos abusivos - acção, oposição, requerimento, recurso, reclamação ou incidente manifestamente improcedentes - censuráveis enquanto decorrentes de exclusiva falta de prudência ou diligência - instituto da litigância de má fé, no qual se incluem os comportamentos gravemente violadores dos deveres de boa fé processual e de cooperação (arts. 543º e 544º, e em termos - redução da admissibilidade de incidentes pós-decisórios, com eliminação do incidente de aclaração e esclarecimento de obscuridades; - reforço do regime de defesa contra demoras abusivas tendentes a evitar as descidas dos Verifica-se, assim, que este princípio mereceu especial atenção nesta Proposta de Lei.
Mesmo no âmbito da identificação de princípios estruturais neste designado Novo Código de Processo Civil muito mais se poderá comentar. Estamos, no entanto, ainda numa fase de partida para a análise desta nova ferramenta Há regimes cuja especificidade exige respostas diversificadas, a que a Proposta de Lei não deixa de tentar responder: é o caso, por exemplo, do regime transitório de aplicação deste Novo CPC, dos procedimentos cautelares e o da acção executiva, também atingidos por Tudo isso merecerá atenção em sucessivos momentos, noutros foros, noutros meios, em acções de formação, em artigos de magistrados, advogados e professores, e, ulteriormente, na doutrina e na jurisprudência que se produzirá Muitas críticas, positivas, negativas, construtivas ou destrutivas irão crescer a propósito do que vier a ser o resultado desta nova reforma. Cabe-nos, então, integrar este processo, na forma que melhor nos convier, mas na certeza de que o C.P.C. será sempre um elemento essencial do nosso trabalho diário, merecendo

Source: http://www.trp.pt/ficheiros/estudos/coloquiocpc_ruimoreira_osprincipiosestruturantesdoprocessocivilportugues.pdf

Tearpad eng.qxd

Your procedure is scheduled for: PICO-SALAX ® A strong laxative must be taken before your procedure. Your doctor has recommendedPICO-SALAX, which is available without a prescription at your local pharmacy. THE DAY BEFORE YOUR PROCEDURE: Follow these instructions (not package insert). Take the 1st Sachet of PICO-SALAX Take the 2nd Sachet of PICO-SALAX HOW TO TAKE PICO-SALAX: 1.

File:///c|/documents%20and%20settings/keith/desktop/2000-2001/term1/council2/council%20minutes%2000.10.25.txt

file:///C|/Documents%20and%20Settings/Keith/Desktop/2000-2001/term1/council2/Council%20minutes%2000.10.25.txtHerewith the minutes of the last CUSU Council (minus the report given by******************************************************************************* Minutes of CUSU Council - Michaelmas II, Wednesday 25th October 2000Isabel Hudson took the chair, with Josh Reddaway as Chair's Aid, an

Copyright © 2010-2014 Medicament Inoculation Pdf