Sito in Italia dove è possibile acquistare la consegna acquisto Viagra a buon mercato e di alta qualità in ogni parte del mondo.

Microsoft word - 22-38 leishmaniose tegumentar

Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA: AS AÇÕES PROFILÁTICAS DO
PROFISSIONAL ENFERMEIRO

Karine Lubiana Satilho1, Damiana Guedes da Silva2, Dionatas Ulises de Oliveira
Meneguetti3, Helena Meika Uesugui4
1 Enfermeira graduada pela Faculdade de Educação e Meio Ambiente (FAEMA/RO).
2 Enfermeira. Doutoranda do Programa PPGBioSaúde ULBRA/RS. Membro do Grupo de
Pesquisa em Enfermagem GHC/CNPQ/RS.
3 Biólogo. Mestre em Genética e Toxicologia ULBRA/RS.
4 Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde/UnB.
RESUMO
Trata-se de pesquisa de revisão de literatura descritiva, exploratória e quantitativa, com os objetivos de revisar a literatura sobre a LTA; descrever a importância da vigilância epidemiológica no controle LTA no Brasil; identificar os tratamentos da LTA e destacar as ações profiláticas dos profissionais de enfermagem. A coleta dos dados ocorreu nas bases de dados da Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP, PUBMED e Manuais do Ministério da Saúde, sendo utilizados 38 referenciais. Constatou-se nesta revisão que a LTA é uma doença antiga, com manifestações clínicas visíveis que acarreta um envolvimento psicológico refletindo no campo social e econômico do indivíduo. É uma doença que está em expansão geográfica no Brasil, porém é uma doença negligenciada, que necessita de uma maior atenção dos enfermeiros juntamente com a vigilância epidemiológica através de ações de saúde que garanta uma melhor qualidade de vida para estes pacientes. Palavras chave: Leishmania, Educação em saúde, Enfermagem

ABSTRACT
This is research literature review descriptive, exploratory and quantitative, with the objective of
reviewing the literature on American Cutaneous Leishmaniasis; describe the importance of epidemiological surveil ance, to identify treatments and to highlight the prophylactic actions of nursing professionals. Data col ection occurred in the databases of the Virtual Health Library, Digital Library of Theses and Dissertations, University of Sao Paulo, PubMed and Books of the Ministry of Health, which used 38 references. It was found that this review American Cutaneous Leishmaniasis is an ancient disease, with clinical manifestations which carries a visible reflecting psychological involvement in the social and economic development of the individual. It is a disease that is geographic expansion in Brazil, but it is a neglected disease, which requires greater attention from nurses along with surveil ance through health actions to ensure a better quality of life Keywords: Leishmania, Health Education, Nursing.
1. INTRODUÇÃO
protozoários do gênero Leishmania, e americana (LTA) é uma infecção crônica,
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
gênero Lutzomyia. É uma doença de pele que causa muitas vezes mutilações 2005; DIAS et al., 2007; NEVES, 2005). Nacional de Vigilância Epidemiológica a Leishmania, sendo um parasita que vive domiciliar, a habilidade de comunicação sendo seis do subgênero Viannia e uma artigo foram revisar a literatura sobre a ∗ Antropozoonose: transmissão da infecção dos animais para o homem. Ocorre quando o homem penetra nos ecótopos silvestres. (NEVES, 2005).
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
LTA no Brasil; identificar os tratamentos da LTA e destacar as ações profiláticas disponíveis na íntegra que evidenciavam 2 MATERIAIS E MÉTODOS
nacionais e internacionais. Após a leitura dos artigos, foram excluídos os que não descritivo, exploratório e quantitativo. freqüência absoluta e relativa dos dados, norteadora elaborada para a seleção dos artigos do estudo foi: Qual a importância utilizadas 38 dentre as quais se dividem das ações profiláticas da enfermagem na periódicos nacionais, quatro (10,5%) em inglês, dois (5,2%) livros e seis (15,8%) line: Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), 3 REVISÃO DE LITERATURA
Google Acadêmico, Biblioteca Digital de 3.1 A Leishmaniose Tegumentar
Americana
descritores Leishmania, Educação em Biblioteca Júlio Bordignon da Faculdade Epidemiológica do Ministério da Saúde e vezes mutilações no paciente, por isso é
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
identificação dos parasitos e sua forma em laboratórios e a identificação dos vezes afetada em virtude das mutilações momento, sendo seis do subgênero Viannia, com comportamento peripilórico no tubo digestivo do vetor e com várias espécies de ocorrência no país e uma do subgênero Leishmania que apresenta parasitas do gênero Leishmania, estes Américas já foram identificadas 11 tipos vetores. Estes agentes “apresentam dois tipos de hospedeiros”, o vertebrado e o Leishmania (Viannia) braziliensis, a Leishmania (Viannia) guyanensis, e a Leishmania (Leishmania) amazonensis Leishmania (V.) braziliensis era o único Brasil. As classificações dos parasitas espécies: Leishmania (Viannia) lainsoni, Leishmania (Viannia) naiffi, Leishmania microscopia óptica não permitia observar
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
(Viannia) lindenberg e a Leishmania phlebotominae, e pertencem ao gênero 3.2 Vetor da LTA e o Ciclo de
Transmissão
Phlebotomus no Velho Mundo (NEVES, Fonte: Agência Fiocruz de Notícias, 2011. do ciclo da Leishmania e somente as infecção zoonótica de animais silvestres. Porém o desequilíbrio biológico causado envolvidas são Lutzomyia whitmani, pela colonização das diversas regiões do Lutzomya wellcomei, Lutzomya migonei, umbratilis e Lutzomya flaviscutellata para a Leishmania, e de fonte de então o vetor, a se alimentar do sangue
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
infectada com o parasito Leishmania agente. No entanto há diferentes ciclos a participação de animais silvestres no fatores como as espécies de parasito, os encontrar roedores silvestres infectados vetores, reservatórios, hospedeiros e as com a Leishmania (V.) braziliensis no conflitos sociais e desequilíbrio no modo hospedeiros conhecidos da Leishmania várias maneiras, e a fauna flebotomínica diversificada e abundante, que é muitas
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
a infecção e sua progressão. No entanto, 3.3 Manifestações Clínicas da LTA
infectividade, patogenicidade, virulência Tabela 1. Manifestações clínicas conforme o tipo de Leishmaniose. Leishmaniose Úlceras únicas com bordas elevadas em moldura, GONTIJO; ou seja, bem delimitadas, geralmente são indolores, CARVALHO, o fundo é granulomatoso com ou sem exsudação. 2003; MOTA; MIRANDA, 2011; SILVEIRA et al., 2008; BRASIL, 2007 Leishmaniose A doença se espalha geralmente pela via linfática, GONTIJO; hematogênica e “raramente por contato direto da CARVALHO, mucosa com a lesão cutânea”. O comprometimento 2003; LESSA et mucoso começa na mucosa nasal, que se torna al., 2007; edematosa e ulcerada; há coriza e epistaxe. Pode FERNANDES et ocorrer destruição da fossa nasal, mucosa e al., 2004; cartilagem. Lábios, assoalho da boca, língua, ALTAMIRANO-faringe e amígdalas podem ser afetados e até ENCISO et al., mesmo a laringe, a traquéia e os brônquios. A 2003
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
mucosa, então, encontra-se espessada, edematosa, BRASIL, 2007 sangra facilmente, é dolorosa e tem odor fétido. As MOTA; MIRANDA, complicações respiratórias e a cronicidadade da 2011 doença pode causar a morte do paciente. As úlceras podem acometer raramente a mucosa dos olhos, os órgãos genitais e o ânus. Leishmaniose Esta forma clínica da doença é considerada rara, no FALQUETO; entanto uma das mais complicadas, pois o paciente SESSA, 2005; não apresenta resposta celular específica contra o LAINSON; SHAW, parasito e muitas vezes há recidiva da doença, 2005 tornando o tratamento ineficaz. Acomete ainda, as mucosas, e pode acorrer em alguns casos a amputação de dedos das mãos e dos pés. Leishmaniose Lesões nódulo infiltrativa, impetigóide, ulceradas, BRASIL, 2007; pequenas, distribuídas na face posterior do tronco
3.4 A Vigilância Epidemiológica No

Controle da LTA No Brasil
legislação específica e com a criação do (VE) passou a ser utilizado na década de conhecimento, a detecção ou prevenção vigilância, se deu a partir da campanha de erradicação da varíola, onde houve a institui o Sistema Nacional de Vigilância
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
vigilância epidemiológica possui um ciclo de funções específicas, que permite o precoce dos casos, para diminuição das 3.5 O Tratamento da LTA e As Ações
Preventivas dos Profissionais de
Enfermagem
toxicidade precoces ou tardios levaram a doenças de notificação compulsória no hoje, apesar de ainda apresentar vários situação da doença nos diversos locais tratamento da LTA, são o antimoniato de
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
na China, no entanto ele ainda não está disponível no Brasil (LIMA et al., 2007). Saúde, bem como o Ministério da Saúde Tabela 2 – Esquema terapêutico para as formas clínicas da LTA cicatrização das lesões em 12 semanas prurido, febre, tontura, insônia, edema, esquema terapêutico com duração de 30 dias. Se ainda não houver resposta, usar Quando houver recidiva na forma clínica serviços especializados (BRASIL, 2007). é a anfotericina B e as pentamidinas, seu
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
indicações, intolerância e resistência aos antimoniais pentavalente. A anfotericina B, que é um antibiótico poliênico que age descontrolado dos casos, o alto custo do iônico, causando a morte da célula. No anemia, anorexia, diminuição da função tubular renal e hipocalcemia em um terço cinetoplasto do parasito”. Esta fórmula 3.6 Ações Preventivas dos
Profissionais de Enfermagem
curativo e individualizado para as ações o alopurinol, paramomicina, miltefosine, de promoção e prevenção da saúde na azitromicina, imiquimod, rifampicina, já produtora destas ações” (NASCIMENTO; devido à baixa eficácia ou avaliação saúde pública, que foi fortalecida nos debates internacionais, lançando novas
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
epidemiológica e a Estratégia de Saúde al., 2007). Neste contexto, a promoção da saúde é definida como: “processo de saúde, incluindo uma maior participação risco onde a população não consegue ter 2002). A Política Nacional de Promoção promoção da qualidade de vida, reduzir organização da rede básica de saúde. é viabilizada pela educação em saúde ferramentas de integração entre o saber estilo de vida do indivíduo, de sua família condicionantes, a participação ativa de biopsicossociais do indivíduo, e intervir do processo saúde-doença, tais medidas
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
vários agentes, reservatórios e vetores, vigilância epidemiológica, se desenvolve através de “ações de investigação estratégias como: “a visita domiciliar, a indivíduos, grupos e comunidades” para nas portas e janelas; limpeza de quintais aspectos: “vigilância epidemiológica, e terrenos e podas de árvores para evitar detritos que atraiam animais silvestres; abrange: a detecção e confirmação dos durante a noite; distanciamento de 400 a investigação epidemiológica, definição perceber a situação da doença no local, controle, e ocorrerá a participação da multiplicidade de fatores que incluem os atividades educativas para a população
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
cartazes, cartilhas e palestras, visando à educação continuada de profissionais da toxicidade aos pacientes e por último a produção de uma vacina eficaz contra a CAMARGO; BARCINSKI, 2003). Ainda a melhor forma de cuidado profilático é a 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
característica de animais silvestres, mas
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
5. REFERÊNCIAS
Glossário de doenças. Leishmaniose.
visíveis, que causa preconceitos e leva o 2. ALEXANDRE, L. B. S. P. Da vigilância epidemiológica à vigilância à saúde. In: Vigilância e controle das doenças
psicológico que refletirá no campo social transmissíveis. 2. ed. São Paulo:
expansão geográfica, sendo o Brasil um colombianas. Hist. Ciênc. Saúde -
Manguinhos. n. 10, p. 853-82. 2003.
histórico, epidemiologia e perspectivas de controle. Rev. Bras. Epidemiol. V. 7,
integração necessária. Rev. Bras.
Enferm. Brasília, v. 63, n. 5, p. 848-852,
Saúde. Política Nacional de Atenção à
Saúde dos Povos Indígenas. 2. ed.
Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As Cartas da
Promoção da Saúde: Brasília: Ministério
Epidemiológica. Manual de Vigilância
Leishmaniose
Tegumentar

_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
Americana. 2. ed. Brasília: Editora do
casuística hospitalar no Rio de Janeiro. An. Bras. Dermatol. Rio de Janeiro, v.
Epidemiológica. Guia de vigilância
epidemiológica. 7. ed. Brasília :
enfermagem? Rev. Esc. Enf. USP, v.
Secretaria de Atenção à Saúde. Política
Nacional de Promoção da Saúde. 3.
Juína, Mato Grosso, Brasil. Scientia
ed. Brasília : Ministério da Saúde, 2010. Medica, Porto Alegre, v. 19, n. 3, p. 103-
kalazar. Ciência e Cultura, São Paulo,
amastigotes. Arch. Med. Res. v. 37, n.
leishmaniose tegumentar americana. An.
Bras. Dermatol. v. 55, n. 2, p. 87-89,
amazonensis promastigotes containing a Arch. Microbiol. V. 185, n. 5, p. 348-
Ciência e Saúde Coletiva, v. 16, supl. 1,
Leishmanioses no Brasil. Gaz. méd.
Phlebotominae) em terra firme e planície Bahia, v. 75, n. 1, p. 3-17, 2005.
fluvial na área de influência do gasoduto Coari-Manaus, Amazonas, Brasil. Acta
amazônica. v. 39, n. 1, p. 233 – 236,
Minas Gerais. Revista da Sociedade
Brasileira de Medicina Tropical, v. 40,
Revista da Sociedade Brasileira de
Medicina Tropical, v. 36, n. 1, p. 71-80,
In: FOCACCIA, R. (org). Tratado de
infectologia. 3 ed. São Paulo: Editora
Brasileiro
Dermatologia, v. 83, n. 5, p. 445-449.

_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011
Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 3(1):22-38, jan-jun, 2012
__________________________________________________________________________________
Artigo/Article
25. LAINSON, R.; SHAW, J. J. New
Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de
World leishmaniasis. p. 313-349, 2005.
abundância de flebotomíneos do gênero Otorrinolaringol. V. 73, n. 6, p. 843-847,
Lutzomyia (Diptera: Psychodidae) em Neotropical
Entomology, v. 36, n. 1, p. 138-144,
Leishmaniose Tegumentar Americana. An. Bras. Dermatol. v. 82, n. 2, p. 111-
35. SILVA, M. F. L. Relação entre a
localização celular da enzima arginase
Leishmania
(Leishmania)
amazonensis e seu papel na infecção
de macrófagos murinos. 2010. 36 f.
SUS - uma revisão conceitual. Ciência e
Saúde Coletiva, v. 12, n. 2, p. 335-342,
GALATI, E. A. B. Fatores relacionados à no Vale do Ribeira. Revista da
1998. Cad. Saúde Pública, Rio de
Sociedade Brasileira de Medicina
Tropical, v. 43, n. 1, p. 46-51, 2010.
37. SILVEIRA, F. T. et al. Revisão sobre otorrinolaringológicas na Leishmaniose. Arq. Int. Otorrinolaringol. São Paulo,
doença causada por Leishmania (V.) Amazonensis. Revista Paraense de
Medicina, Belém, v. 22, n. 1. 2008.
saúde versus as ações programáticas em saúde. Ciência e Saúde Coletiva, v.
Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro,
32. NEVES, D. P. Parasitologia
humana. 11. ed. Sao Paulo: Editora
revisão histórica da origem, expansão e etiologia. An. Bras. Dermatol. v. 80, n.
33. REBÊLO, J. M. M. et al. Ocorrência de flebotomíneos (Diptera, Psychodidae)
_________________________________________________________________________________

Rev Cie Fac Edu Mei Amb 3(1):22-38, jan-jun, 2011

Source: http://enfermagemumuarama.blogs.unipar.br/files/2012/08/artigoleshimaniose13.pdf

Forum flash- 18 march 201

Forum Flash – 23 October 2012 News from Western Sydney Community Forum ZEST Awards: Nominations Open Tomorrow - 24th October! Nominations open for the 2013 ZEST Awards tomorrow. Do you know someone who deserves a ZEST Award? Visit the new look ZEST Awards website for more details. Here is a sneak peek at some of the exciting new categories for this year's ZEST Awards. Exceptional Prin

Review these instructions at least twice

REVIEW THESE INSTRUCTIONS AT LEAST TWICE PRIOR TO YOUR PROCEDURE (Failure to follow these guidelines may result in cancellation of your SCS Trial) Performance Spine & Sports Specialists, PA Spinal Cord Stimulator Trial Guidelines Patient Name: ________________________________________________________________________________ Date and Time: __________________________________

Copyright © 2010-2014 Medicament Inoculation Pdf