Sito in Italia dove è possibile acquistare la consegna acquisto Viagra a buon mercato e di alta qualità in ogni parte del mondo.

Contra-ideias :: crÍtica contemporÂnea 201

CONTRA-IDEIAS :: CRÍTICA CONTEMPORÂNEA
Jaime Da Silva Lopes
O voto da oposição-líder
O líder da oposição não está preparado para assumir, e compensar, as clivagens irremediáveis que seriam as consequências do voto contra o Orçamento Os partidos vocacionados para o poder têm a tentação de não sair dessa 'zona de conforto' que é a participação governativa. Praticar, nem que seja em rascunhos e intenções, as manobras do poder é muito mais atraente que o rasgo A abstenção declarada reforça a natureza do Partido Socialista, ao mesmo tempo que evita a imposição do executivo de direita. Também, vincula a ação ao objetivo de estar preparado para um longo período na oposição. No entanto, participar leva a que se comprometa com as consequências. E esta é a vontade que a direita do PM e do PR quer (ter o melhor poder possível). Se é um bom sinal ajudar a que o país tenha um orçamento melhor, e ter uma oposição construtiva, é também importante (para a própria oposição) que esta não alimente o poder dos Mas, afinal, no Estado atual, nestas circunstâncias parcas, que poder é este? Um poder que não se mantém, porque pouco vigora e nada revigora, não está em condições de lutar ou que muito lutem por ele. Ao Partido Socialista, partido líder da oposição, e partido de poder, resta ajudar o poder, ajudar a manter as suas estruturas frágeis e, portanto, proteger a sua própria justificação para a 2011, disponível em http://www.dapolitica.com Pag. 1 | de 9
CONTRA-IDEIAS :: CRÍTICA CONTEMPORÂNEA
Podíamos aqui relembrar que a política é uma negociação constante. Assim, nesta ótica, o PS negoceia, não vota contra, ajuda o poder a escudar-se da crise. Pensa que a crise vai passar mais depressa que o poder – este poder que fita. A dívida do Euro
As elites assustam-se porque querem deixar entrar o povo na sala. Lá por dentro, alguém percebeu que não faltará muito para entrarem pela janela, e, portanto, abriram a porta da democracia com um referendo na Grécia. Esta, sim, é afinal a grande dívida que a Zona Euro tem para com o seu povo. Podemos racionalizar a questão, mas era dar teoricamente um passo em falso. Porque o contexto por si só é ilógico. Anda por aí um diretório a controlar o povo, evaporando a sua já parca soberania, mas o povo tem a voz intemporal. Este é um breve apontamento sobre a política: e a política faz-se. Com os estados (representantes), e com os povos (sempre por representar). Alienar a voz do povo pode parecer legítimo para quem fala com o dinheiro que lhe emprestam. Mas, ao que parece, a grande arte humana de viver tem sempre uma expressão sem preço. De valor incalculável e invisível aos olhos das taxas de juro. Há quem diga que 'quem convida e desconvida merece a porta da saída'. O governo grego recuou na proposta de referendo. A conclusão do ato, em suma, fica-se por um novo governo, porque as elites já nao confiavam no que estava, e o povo, sentiu-se ofendido por lhe quererem dar a palavra, quando o governo já não tinha mais nenhuma. É o chamado 'toque do representado': passa a 2011, disponível em http://www.dapolitica.com Pag. 2 | de 9
CONTRA-IDEIAS :: CRÍTICA CONTEMPORÂNEA
representar o próprio representante, e isto só acontece quando já O Conselho de Estado
O Presidente da República Cavaco Silva já reuniu o Conselho de Estado várias vezes, desde que exerce funções. Este órgão político de consulta aconselha o Presidente sempre que for solicitado. Pela matéria discutida, e nos contextos específicos, esta solicitude tem o objetivo de reforçar uma certa conduta junto dos partidos políticos. Para tal, o Presidente faz-se acompanhar das importantes individualidades do Conselho. Deste modo, o Conselho está a ser utilizado para reforçar políticas junto do Parlamento, mas também a subentender uma posição geral que implicaria – se fosse atribuída só ao Presidente – interferência na situação partidária. Ora, o contexto atual dá todas as condições ao Governo para executar as suas políticas. Quando, no exemplo do momento, é pedido diálogo e entendimento, e quando o Governo tem a capacidade de execução, estamos a procurar que se melhore o plano a executar, ou que tenhamos o apoio generalizado ao plano (mau ou Todavia, se admitirmos que o plano é um bom plano, retirar potenciais críticas ou impedirmos que se instale a controvérsia, é querer menos debate, A questão eleitoral da crise
2011, disponível em http://www.dapolitica.com Pag. 3 | de 9
CONTRA-IDEIAS :: CRÍTICA CONTEMPORÂNEA
Acrescento ao texto da questão eleitoral da crise duas ou três linhas que poderão abrir a janela da questão política da crise (onde reside aliás a aproximação à perspetiva originária do texto). 'Doutro modo, ou o governo que sai é maioritário, ou aportaremos num presidencialismo assumido. É preciso saber se o país está preparado para uma evolução na economia, seja em que A verificar-se a persistência da letargia, mais importante é saber se os políticos estão preparados para a tal evolução. Não estão. A evolução da política estará porventura na cedência ou abertura do modus a outras formas, como por exemplo, a de participação política dos agentes da sociedade, onde podemos ter como fonte a expressão dos E outro apontamento, que me parece relevante: 'Mas também parece claro que se essa maioria não for obtida, a crise política assentará definitivamente nos partidos, sem capacidade de exercer o poder. E desenrolar-se-á sofregamente pelos próximos anos cavaquistas. À semelhança do presidente, será uma fase de não-política, como se comprova por todos os que procuram a salvação, com governos nacionais, e uma linha restrita do exercício político em que querem confinar os partidos.' 2011, disponível em http://www.dapolitica.com Pag. 4 | de 9
CONTRA-IDEIAS :: CRÍTICA CONTEMPORÂNEA
A caraterização de não-política, que se abstém um pouco de querer caraterizar por agora o perfil político do presidente, entretém-se entre dois pontos: afastamento da onda política atual, com repercussão de instabilidade no seu retorno (a não-política precisa da política); e a contextualização personalista com o objetivo de criação de valor para o próprio. Podemos encarar a resposta de frente: a incapacidade de exercer o poder per si, que o presidente agora sugere, remetendo o governo para uma negociação orçamental na Assembleia da República, onde já dispõe de maioria, e que tem em vista restringir a contestação da oposição, e para que esta não saia do seu espaço minoritário que tem no parlamento, é um exemplo dessa criação de valor personalista. E que contribui para o enfraquecimento político, e do executivo. A grande questão que esta crise dá às próximas eleições, não é como é que a crise será resolvida, mas se as eleições, enquanto regeneradoras, estarão à altura para combater a crise. A perspetiva difere das análises comuns, porque o que poderá ficar em causa é a governabilidade do país. A 'clarificação' eleitoral pode levar ao cisma na democracia entre os que precisam de ver as coisas resolvidas e os que não as conseguem (porque não 2011, disponível em http://www.dapolitica.com Pag. 5 | de 9
CONTRA-IDEIAS :: CRÍTICA CONTEMPORÂNEA
Doutro modo, ou o governo que sai é maioritário, ou aportaremos num presidencialismo assumido. É preciso saber se o país está preparado para uma evolução na economia, seja em que A verificar-se a persistência da letargia, mais importante é saber se os políticos estão preparados para a tal evolução. Não estão. A evolução da política estará porventura na cedência ou abertura do modus a outras formas, como por exemplo, a de participação política dos agentes da sociedade, onde podemos ter como fonte a expressão dos indignados. Mas também parece claro que se essa maioria não for obtida, a crise política assentará definitivamente nos partidos, sem capacidade de exercer o poder. E desenrolar-se-á sofregamente pelos próximos anos cavaquistas. À semelhança do presidente, será uma fase de não-política, como se comprova por todos os que procuram a salvação, com governos nacionais, e uma linha restrita do exercício político em que querem confinar os partidos. A caraterização de não-política, que se abstém um pouco de querer caraterizar por agora o perfil político do Presidente, entretém-se entre dois pontos: afastamento da onda política atual, com repercussão de instabilidade no seu retorno (a não-política 2011, disponível em http://www.dapolitica.com Pag. 6 | de 9
CONTRA-IDEIAS :: CRÍTICA CONTEMPORÂNEA
precisa da política); e a contextualização personalista com o objetivo de criação de valor para o próprio. Podemos encarar a resposta de frente: a incapacidade de exercer o poder per si, que o presidente agora sugere, remetendo o governo para uma negociação orçamental na assembleia da república, onde já dispõe de maioria, e que tem em vista restringir a contestação da oposição, e para que esta não saia do seu espaço minoritário que tem no parlamento, é um exemplo dessa criação de valor personalista. E que contribui para o enfraquecimento político, Ora, este retrocesso político, a par do sistema que fragiliza e muito o poder executivo - aliás, como assistimos com este governo - será o motivo principal das 'grandes dificuldades que teremos nos próximos anos', como dizem. Quando o que realmente precisamos é de progressos políticos. Mas agora é tarde. O custo, que abafa a lei da otimização através do olhar político, é um deve e haver entre Por aqui, podemos vislumbrar que nenhuma é possível: não se promete esperança, como começou a fazer a direita, descomprometendo-se, parecendo mesmo que não quererá adiantar muito durante a campanha; e nem a confiança, ou a falta dela, porque já se conhece esse modo de governar, mas sem realidade, como se viu pela insensibilidade social dos planos apresentados pelo governo Parece, daqui, provável a tese: as eleições podem não ficar à altura da crise. 2011, disponível em http://www.dapolitica.com Pag. 7 | de 9
CONTRA-IDEIAS :: CRÍTICA CONTEMPORÂNEA

Partidos: poder e protesto
A primeira grande distinção, entre partidos, é a sua relação com o poder no sistema político. O partido de poder quer o poder. O de protesto só quer influenciá-lo, não querendo exercer o poder. Este, está contra o sistema, o 'estado das coisas', apresentando-se como 'de fora'. Pelo menos, não estando comprometido com a 'situação'. Aquele, institucionalizado, opera no sistema. Numa análise interna, o partido de protesto carateriza-se como uma organização pro-política, que, face à adesão facciosa que poderá obter, optará por institucionalizar-se ou não. Sobrevive com os interesses fracturantes, apoiando-se em tentativas de novas lógicas contra o pragmatismo existente. Formalmente, sem a sua institucionalização, sem se vincular ao sistema político, distingue-se de outras organizações pelos antecedentes ou motivos ideológicos. À luz dos diferentes poderes - o social, o económico…- o supra-poder é sempre político. Não é legítimo considerar que uma organização de forte implementação social tenha poder político. Se o tiver, estamos numa área pro- revolução ou revolta, pelo social, ou extinção do regime, pelo político. Mas neste ângulo, o campo político é um outro assunto. O que nos interessa agora é o Assim, também podemos concluir que um partido dominante, sem exercer o poder institucionalmente, ou mesmo politicamente, não é um partido do poder. Só o é, instituído o partido no regime, se aceitar que quer e tenta exercer o poder - utilizando os órgãos do Estado para tentar exercer a sua vontade. 2011, disponível em http://www.dapolitica.com Pag. 8 | de 9
CONTRA-IDEIAS :: CRÍTICA CONTEMPORÂNEA

PUBLICAÇÃO
DA SILVA LOPES, Jaime, Contra-ideias, crítica contemporânea 2011. Lisboa, 2011, disponível em http://www.dapolitica.com Pag. 9 | de 9

Source: http://dapolitica.com/docs/contra-ideias-2011.pdf

Swmh 1(4)jprint.pdf

SUMMARY. This article reports on two research projects and argues that current medication management research and practice does not represent the complexity of community-based psychotropic treatment. Ethnographic findings are used to demonstrate that a social grid of man- agement exists to negotiate medication ‘effect’ interpretation. Anthropo- logical and semi-structured interview data are

Microsoft word - longcv-i-1.doc

Phone: Home, (971)-6-5153012 or Office, (971) -6-5152460 CITIZENSHIP: U.S.A. EDUCATION: Dec. 1995-Dec. 1997 Ph.D. in Chemical Engineering, Auburn University, Dissertation: “Molecular Modelling of Reverse Micelles,” Minor Field: Materials Engineering. M.S. in Chemical Engineering, Auburn University, Thesis: “Investigation of Interaction of Water Molecules with Reverse Micelles of Ni

Copyright © 2010-2014 Medicament Inoculation Pdf